Brasil reforça sua fronteira sul com nove mil homens

Segundo ministro da defesa, Celso Amorim, operação tem por objetivo a repressão à criminalidade. Marinha, Aeronáutica e Exercito estão envolvidos na missão.

Icon

Um contingente de aproximadamente 9 mil militares, com aparatos militares, foram enviados pelo governo brasileiro para as fronteiras do pais com Paraguai, Argentina e Uruguai. Operação Ágata, como é chamada, teve início nesta segunda-feira, dia 6. A previsão é que dure até 30 dias.

"É uma operação de fronteira que tem por objetivo, sobretudo, a repressão à criminalidade", disse o ministro da Defesa, Celso Amorim, à "BBC Brasil". Marinha, Força Aérea Brasileira (FAB) e Exército participam da operação. As três forças usam helicópteros Black Hawk e Pantera, para transporte de tropas e missões de ataque.

A Operação Ágata contará ainda com o apoio de 30 agências governamentais, como a Polícia Federal, que elevará o efetivo total de homens para 10 mil. Segundo o general Carlos Bolivar, as áreas mais críticas de patrulhamento são entre as cidades de Foz do Iguaçu, no Paraná, e Corumbá, em Mato Grosso do Sul, onde a incidência de tráfico de drogas e contrabando é maior.

"A ação visa a reforçar a presença do Estado na fronteira com a Bacia do Prata", disse Carlos Bolivar Goellner, comandante militar do sul, à "BBC Brasil". Segundo ele, as fronteiras serão fortemente guarnecidas e consequentemente o tráfico de drogas e o contrabando devem ser "sufocados".

Reforçando - Enviado em 07/08/2012 13:39

Carlos Souza - Enviado em 07/08/2012 10:34